O Balcão do Emigrante é uma instituição privada

Corona vírus

Toda a informação sobre o corona vírus em Portugal e no mundo onde há portugueses.

Coronavírus: Ponto de situação no Luxemburgo

coronavirus-luxemburgo

Devido ao coronavírus, o Luxemburgo está em “Estado de crise” (Estado de Emergência) decretado no dia de ontem pelo primeiro ministro Xavier Bettel. O documento que permite decretar o “estado de crise” já foi assinado pelo Grão-Duque Henri que terá uma duração de 10 dias, extensível até 3 meses.

Xavier Bettel relembrou os cidadãos que terão de cumprir as regras de confinamento “Fiquem em casa” durante esta crise do coronavírus e as únicas excepções são:

      • Sair para trabalhar (nos casos em que não seja possível o teletrabalho)
      • Consultas médicas de emergência
      • Comprar bens de primeira necessidade (alimentação ou medicamentos)

 

Quem andar na rua sem razão válida será multado em 145 euros.

Em relação ao teletrabalho e ao facto de  rede de internet poder ficar saturada, Bettel afirmou que a “rede funciona, ainda não houve um blackout mas estamos próximos do limite” e que estão a ser trabalhadas as infraestrutura, esta afirmação deixa muita empresa em alerta e será mais um problema provocado pelo coronavírus no Luxemburgo.

Devem estar permanentemente fechados:

      • Estaleiros e obras
      • restaurantes (exceção para serviços de take away e drive in)
      • cafés e outros estabelecimentos públicos

 

Em caso de desobediência serão sujeitos a multas de 4.000 euros.

Todas as escolas, creches e serviços de acolhimento de crianças estarão fechado pelo menos até 19 de abril, prevendo-se que este prazo seja alargado até ao fim desta pandemia do coronavírus.

 

Todos os voos da Luxair foram cancelados,

 

Transportes públicos com menos cadência.

 

Serviços de electricidade,água e correios continuam em funcionamento.

 

Farmácia e supermercados continuam abertos mas com limite de número de pessoas que entram e obrigatoriedade de deixar espaço para os restantes clientes.

 

Bettel garantiu que não há ruptura na distribuição aos produtos de alimentação. “Não façam da vossa casa uma filial de um supermercado. Não há necessidade de açambarcar todos os produtos dos supermercados. Pensem nos outros!”. O primeiro ministro lembrou ainda que todos os pagamentos devem ser feitos por cartão bancário ou aplicações como Digicash.

 

Visitas às prisões só por skype ou telemóvel.

 

Quando questionado sobre quanto custará esta crise, Xavier Bettel afirmou “custará o que for necessário”.

Em caso de sintomas ligue

Portugal

808 24 24 24

Suíça

0800 316 800

Luxemburgo

8002 8080

bélgica

0800 14 689

França

0 800 130 000