O Balcão do Emigrante é uma entidade privada

O que fazer para que o seu divórcio seja válido em Portugal?

Nesta edição, falamos de um tema que gera, habitualmente, grandes problemas à nossa comunidade emigrante: Os divórcios pronunciados no estrangeiro e na sua obrigatoriedade de os registar em Portugal.

Assim, e tendo em consideração que há muitos compatriotas que se divorciam nos países onde estão instalados, mas que nunca procederam à transcrição em Portugal, fazemos um resumo sobre os procedimentos a adoptar para regularizar o estado civil, em Portugal.

Para enquadrar a situação, referimos que as sentenças proferidas por tribunais estrangeiros, e neste caso as de divórcio, só têm eficácia, em Portugal, depois de “validadas” pelo Tribunal da Relação Português competente, ou através de aplicação do procedimento previsto pelo Regulamento Europeu para o efeito. Trata-se de um processo meramente formal, onde se aprecia formalmente os documentos apresentados e valida, ou não, em função de critérios formais. Não se trata, de todo, de um novo processo de divórcio, mas sim da verificação de que todos os elementos necessários à validação da sentença estrangeira estão preenchidos. E esses elementos são os seguintes:

  • Que não haja dúvidas sobre a autenticidade da sentença;
  • Que tenha transitado em julgado segundo a lei do país em que foi proferida – o que quer dizer que a mesma não admita mais recursos.
  • Que provenha de tribunal estrangeiro competente;
  •  Que não possa invocar-se a excepção de litispendência ou de caso julgado;
  •  Que o réu tenha sido regularmente citado (notificado) para a ação;
  • Que não contenha decisão cujo reconhecimento conduza a um resultado
    manifestamente incompatível com os princípios da ordem pública
    internacional do Estado Português.
 

Para sabermos qual o procedimento adequado temos perceber quais as
circunstâncias da sentença.

1º – Antes de mais, devemos separar os divórcios pronunciados antes de 01 de Março de 2001, daqueles pronunciados depois desta data.

Assim, todo e qualquer divórcio, independentemente do país onde foi pronunciado, que date de antes de 01 de Março de 2001, necessita de ser revisto e confirmado em Portugal. Trata-se do Processo judicial de Revisão de Sentença Estrangeira, necessário para que as decisões proferidas por tribunais estrangeiros possam ter eficácia e validade em Portugal.

2º –  Por outro lado, se o divórcio tiver ocorrido depois desta data, temos de separar aqueles que são efetuados nos países membros da União Europeia (UE) daqueles que são pronunciados por países terceiros (Suíça incluída).

  • A) No caso de sentenças de divórcio pronunciadas depois da data supramencionada, por um Estado-Membro da União Europeia, o
    procedimento judicial de revisão é dispensado e é trocado pelo previsto no Regulamento (CE) número 2201/2003 do Conselho, de 27/11/2003, relativo à competência, ao reconhecimento e à execução de decisões em matéria matrimonial e em matéria de responsabilidade parental. Neste caso aplica-se um procedimento simplificado, sendo necessário, apenas, pedir uma certidão ao Tribunal que pronuncia o divórcio, apresentando-a depois com a sentença do dito divórcio, devidamente traduzida, nos Registos Civis em Portugal, requerendo aí a transcrição do divórcio.
  • B) No caso de sentenças de divórcio pronunciadas por um Estado Terceiro, aplica-se sempre o procedimento judicial já mencionado, que valide a sentença estrangeira.
 

De realçar que se o procedimento a adotar for o judicial, necessita, obrigatoriamente, de constituição de advogado.

Por fim, há que mencionar os acordos bilaterais, com Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, que permitem registar os divórcios provenientes destes países sem necessidade de procedimento especial, em Portugal.

Este artigo foi escrito pelo Dr. Rui Rodrigues, solicitador especialista em assuntos da emigração portuguesa.

PARTILHE ESTE ARTIGO
OUTROS ARTIGOS
dispomos de outros artigos que podem ser do seu interesse