O Balcão do Emigrante é uma entidade privada

O que é o Spread?

Início » Artigos » O que é o Spread?

spread é um conceito que vemos em tudo o que é relacionado com as ofertas das instituições financeiras relativamente ao crédito. Na verdade, trata-se de um conceito muito simples.

Afinal, o que é o spread?

Segundo o Banco de Portugal, é “uma componente da taxa de juro, definida pelo banco, contrato a contrato, quando concede um empréstimo”. Ou seja, é uma percentagem que o banco inclui nos juros que cobra e que resulta em lucro para a própria instituição.

O Spread é uma taxa de juro que é aplicada pelos bancos nos contratos de crédito e que pode ser entendido como a margem de lucro do banco. É aplicado sobretudo ao crédito para compra de casa e também ao crédito pessoal. 

Como funciona o spread?

O banco tem o objetivo de obter lucro através de empréstimos aos seus clientes (entre outros). Para poder emprestar terá de se financiar junto de diversas fontes como sendo acionistas, clientes (depósitos à ordem e depósitos a prazo) ou mesmo pedindo dinheiro emprestado a outros bancos e investidores. Ao se financiar junto destas fontes irá ter de suportar um custo que passará para os seus clientes, em forma de taxa de juro.

Taxa De Juro = Custo do Dinheiro + SPREAD

Ao custo suportado acima é somada uma margem de lucro que possibilitará compensar o banco pelo risco que assume e obter os níveis de retorno que pretende. O resultado será igual à taxa de juro que o cliente suporta neste empréstimo.

Como varia o spread?

Ao emprestar dinheiro, o banco assume um risco e a lógica base é a de que, quanto maior for esse risco, maior resultará a percentagem de spread. Os fatores que fazem variar são:

  • Historial de crédito do cliente;
  • Relação entre o montante a emprestar e o valor do bem que é apresentado como garantia;
  • Contratação, por parte do cliente, de outros produtos da instituição.

O que determina?

A taxa de juro que o cliente suporta irá depender do risco da operação. O banco quer limitar o seu risco ao mínimo, mas tem de fazer face à concorrência. Assim, a avaliação de risco tem de ser rigorosa e enquadrada com os valores de mercado. Logo, existirá uma relação imediata entre o risco da operação (e garantias oferecidas) e o retorno que o banco irá exigir. Assim, podemos considerar alguns determinantes do Spread:

  • Natureza da Operação/Finalidade do Crédito
  • Características do cliente, como sendo o contrato de trabalho ou rendimentos
  • Características da operação, como sendo a relação entre o valor solicitado e a garantia oferecida
  • Outras variáveis comerciais, como descontos comerciais (o popular cross-selling) ou relação comercial do cliente com o seu banco
  • Capacidade negocial do cliente ou do intermediário financeiro que o representa

É possível negociar (ou renegociar)?

Não só é possível, como é recomendável.

Existem várias formas de baixar o spread. Para isso poderá sempre recorrer aos serviços de um intermediário de crédito. A análise da sua situação não tem nenhum compromisso associado, nem acarreta custos para si. 

O mesmo se aplica se já tem o empréstimo em curso. Se o seu spread estiver acima dos 2%, pondere a renegociação. Lembre-se que poderá fazê-lo a qualquer momento, utilizando os mesmos contactos.

Veja alguns dcasos reais de clientes que conseguiram poupanças muito significativas e que está ao seu alcance. 

credito habitacao spread susana
credito habitação spread Célio
Gostava de melhorar as condições do seu crédito?
partilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
outros artigos
dispomos de outros artigos que podem ser do seu interesse